Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leituras

divulgação de livros; comentário de obras lidas; opiniões; literatura portuguesa; literatura estrangeira

Leituras

divulgação de livros; comentário de obras lidas; opiniões; literatura portuguesa; literatura estrangeira

 

António Lobo Antunes, Sôbolos Rios que vão, Dom Quixote, 2010, 199 páginas.

 

 

A estrutura é diarística, começa no dia 21 de Março de 2007 e termina no dia 4 de Abril de 2007.

Deitado na cama do hospital, o protagonista passa em revista toda a sua vida, do passado ao presente, dos familiares aos amigos. Enquanto dá conta do bulício normal de um hospital e daquilo que se passa consigo, a sua mente vai revivendo outros momentos, outros tempos que se entrecruzam com os momentos presentes, numa confusão de datas e de situações.

É um reviver dos acontecimentos que marcaram a sua vida, é a angústia do presente, neste diálogo consigo mesmo, enquanto sofre os horrores da doença e sente "um ouriço no interior do corpo" "a dilatar-se e ele a calcular as zonas que ia ocupando uma a uma"; e as imagens iam passando na sua mente em catadupa, sobrepondo-se, interpenetrando-se e ele "tentava dar nome às formas e não achava os nomes, estava e não estava acordado como quando parece compreendermos o sentido do mundo que no instante de o compreendermos se esfuma".

Um romance denso, profundo, que nos faz meditar sobre a vida, sobre o sofrimento e nos deixa, não raras vezes, angustiados.

 

O título é simbólico, lembrando as redondilhas camonianas:

          Sôbolos rios que vão

          Por Babilónia me achei,

          Onde sentado chorei

          As lembranças de Sião  

          E quanto nela passei.

Que, por sua vez, se inspira no Salmo 136:

          Junto dos rios de Babilónia

          estávamos sentados e chorando,

          lembrando-nos de Sião.