Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Leituras

divulgação de livros; comentário de obras lidas; opiniões; literatura portuguesa; literatura estrangeira

Leituras

divulgação de livros; comentário de obras lidas; opiniões; literatura portuguesa; literatura estrangeira

Madeline Miller, O Canto de Aquiles, Bertrand Editora, 2013, 342 páginas.

 

Uma moderna narrativa da lenda. A perspectiva é a de Pátroclo, o companheiro inseparável de Aquiles, que nos conta como se conheceram, como se apaixonaram, como foi a sua (deles) vida, até à morte de Aquiles.

Uma forma romanceada de contar a lenda, em grande parte a narrativa da Ilíada de Homero, sob um outro ponto de vista, mas mantendo a fidelidade às versões que a tradição e os escritores antigos nos deixaram.

Numa convivência entre os humanos e as divindades, assistimos aos encontros de Aquiles com sua mãe, Tétis, às tramóias dos deuses, às vinganças e às intervenções de Zeus, numa naturalidade de relação entre os homens, os deuses e os centauros.

É uma história de guerra, de heróis, mas também de seres humanos sensíveis, que não percebem as guerras e a morte de outros homens. E é, essencialmente, uma história de amor, de paixão levada aos limites, na reacção de Aquiles após a morte de Pátroclo. Aquiles, aqui tratado como humano, mas convivendo com sua mãe, a deusa marinha Tétis, é um ser humano normal, com sentimentos, um jovem que age como os outros jovens, mas também o jovem que sabe qual é o seu destino, que tem consciência da sua superioridade em relação aos outros homens e que, a determinada altura, sabe fazer uso dessa sua superioridade.

Depois de vaguear nas sombras, Pátroclo recebe, finalmente sepultura, e é Tétis que toma essa iniciativa:


"A princípio, não a percebo. Ma depois vejo o túmulo e as marcas que ela gravou na pedra. AQUILES, está escrito. E, ao lado, PÁTROCLO.

— Vai — diz ela — Ele está à tua espera.


Na escuridão, duas sombras avançam uma para a outra através das trevas densas e desoladas. As suas mãos encontram-se, e a luz jorra num dilúvio, como uma centena de vasos de ouro a derramarem o sol. "


A obra foi Best-seller do New York Times e vencedora do Orange Prize de 2012.