Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

BARROCO TROPICAL

José Eduardo AGUALUSA, Barroco Tropical (romance), Dom Quixote, 2009, 342 páginas.

 

Uma narrativa cativante pela forma como vai variando a perspectiva e o tipo de narrador, bem como pela inserção de narrativas intercaladas, diários ou cartas.

Tudo se passa em Luanda, num futuro muito próximo, numa cidade onde a corrupção campeia. Tece-se, através das personagens, uma crítica feroz a uma governação autocrática, que gera o medo e o terror entre camadas da população. Há pequenos grupos que dominam de forma cruel, persecutória e assassina. Não há liberdade de expressão e os que ousam mover-se por conta própria, denunciando o que se passa, são perseguidos e ameaçados.

Sob a capa de manter tradições do povo nativo, fugindo às regras que os colonialistas deixaram, cometem-se atrocidades. Os que contestam são apelidados de traidores, acusados de estarem ainda imbuídos do espírito colonial, até mesmo por defenderem a língua oficial, o português, que os outros querem substituir pelas línguas tradicionais, que já poucos falam ou entendem.

É retratada uma cidade de contrastes, na pobreza e degradação das habitações, grandes arranha-céus abandonados, mas grandiosas casas, carros e vida de luxo para alguns, os que dominam.

Percorrendo toda a narrativa o recurso ao fantástico, a crença no sobrenatural, mesinhas e bruxarias, numa afirmação de tradições ancestrais. Curandeiros, artistas, traficantes de droga povoam este universo crespuscular, numa cidade em convulsão, no ano 2020.

Tudo começa com uma tempestade e uma mulher que caiu do céu.

Não faltam as relações com Portugal e os portugueses, os amores infelizes, a música tradicional, a literatura, o jornalismo.

“ Os jornais angolanos trazem com frequência notícias de pessoas assassinadas sob a acusação de feitiçaria.”

“Triste figura a minha. Arrastado por uma trela, como um animal, rosto desfigurado, camisa manchada de sangue, calças rasgadas.”

“Escrevo para iluminar os corredores da minha alma.”

“A caveira falante — um conto africano”

Cap. 19 “ O vendedor de espelhos, seguido de um debate sobre línguas e identidades destinado a confundir os meus detractores neonativistas”

images.jpg

 

publicado por isa às 10:59
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O vendedor de passados

. BARROCO TROPICAL

. A Amiga Genial

. Se Eu Fosse Chão

. O Lugar Supraceleste

. Horizonte

. Prosas Desfocadas

. Mal Nascer

. A Desumanização

. Retrato de Rapaz

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

.tags

. todas as tags

.contador de visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds