Domingo, 18 de Maio de 2014

A irmã

Sándor Márai, A irmã, Dom Quixote, 2013, 213 páginas.

 

O húngaro Sándor Márai não é um narrador de futilidades, não é um autor fácil. A sua escrita é cuidada, elaborada; as suas narrativas tratam temáticas complexas, pesadas, muitas vezes, não são leituras de divertimento, de descontracção. Em As velas ardem até ao fim, A Herança de Eszter ou A Ilha, o autor desenvolve temas muito humanos, que nos fazem reflectir sobre a vida e a solidão, sobre a humanidade, sobre a complexidade da natureza humana, sobre a dificuldade que muitas vezes temos em compreender as reacções, as atitudes, os actos das pessoas.

 

Neste romance, "A irmã", de novo o autor desenvolve uma temática de grande densidade e intensidade psicológica— a vida e a morte, a doença e a forma de lidar com ela.

Situado numa época conturbada da história da Europa, esta obra, escrita em 1946, relata tempos de guerra. Mas a guerra aqui narrada não é a das trincheiras, não é a dos campos de batalha.

O que se narra aqui é uma batalha mais solitária, a batalha que alguém trava com a doença, com a dor e o sofrimento, com o conhecimento de que vai morrer em breve. A narrativa central é o Diário de um famoso pianista que nos descreve em pormenor os seus dias de internamento num hospital onde esteve durante meses, primeiro a deixar-se levar pela doença, depois a lutar contra ela e a querer viver.

É um relato impressionante desse ambiente de hospital, das reacções de médicos e enfermeiros, na perspectiva do doente.

E, no meio do sofrimento, todo o sentido da vida é posto em causa, nada do que antes vivera tem qualquer interesse, perde-se a noção de pudor, de intimidade, de orgulho, de qualquer sentimento pessoal ou de interesse social. Tudo é questionado. Mas a cura está dentro de nós, como lhe dizia um dos médicos, só o querer do doente pode produzir a cura da doença, que resultou de uma desarmonia da vida, a doença era a vida, por isso o corpo se ressentiu.

"A doença não é mais do que uma violação da ordem do mundo".

"Apesar de me encontrar neste estado pouco inteligível, entre a vida e a morte, sabia que apenas em harmonia com a consciência podia ser feliz, sem sentir qualquer tipo de culpa, mesmo que este bem-estar durasse pouco tempo."

publicado por isa às 16:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O vendedor de passados

. BARROCO TROPICAL

. A Amiga Genial

. Se Eu Fosse Chão

. O Lugar Supraceleste

. Horizonte

. Prosas Desfocadas

. Mal Nascer

. A Desumanização

. Retrato de Rapaz

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

.tags

. todas as tags

.contador de visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds